Thursday, August 30, 2007

Para a Blue

kiasma_1999_d

kiasma_1999_c

kiasma_1999_b

kiasma_1999_a

Helsínquia, 1999

O Kiasma em Helsínquia, (re)pescado do meu arquivo. Desculpem a quantidade mas a arquitectura tem destas coisas e a dos museus ainda mais.

6 comments:

blue said...

:)

"language becomes a form of light while light becomes a language"
steven holl

(obrigada. um dia passarei por lá)

margarete said...

muito bom, blue
mas não consigo deixar de pensar que: language sometimes becomes a form of darkness while light may always become a language

cj said...

blue, proponho que organizes um fim semana prolongado, que tal Outubro?

Anonymous said...

Perdoem-me a intromissão, mas acho que a proposta do CJ é capaz de fazer sentido: talvez um retiro vos ajude a encontrar a resposta a tão importante questão: a palavra será luz ou escuridão? Sempre? Às vezes? A linguagem é sempre uma forma de luz? A luz é sempre uma forma de linguagem? Em colóquio? Em solilóquio?
Há aqui alguma coisa que me escapa, sem dúvida, mas estas fotografias, embora cheias de luz, nunca me levariam a uma reflexão tão profunda...

alice ventura

kiasma said...

"language is a virus from outer space" atrib. William S. Burroughs

ps: em relação ao comentário anterior, acho que ninguém estava a falar das fotografias... Vale a pena conhecer a obra de Steven Holl e conhecer a relação dele com a luz.
Quanto ao retiro, prefiro a ideia mais laica do fds prolongado do CJ; marquem-no! :)

alice said...

kiasma, eu também nao estava
a falar das fotografias, mas dos comentários; o primeiro entendo, além de fazer sentido no contexto destas imagens (e de um diálogo iniciado em "...such a perfect day"
),a frase de Steven Holl é particularmente feliz na forma iluminada como joga com as palavras "luz" e "linguagem"; o segundo fez-me sorrir, pelo facto de me parecer uma verdade de La Palisse; o terceiro fez-me lembrar "os amigos de Alex" e nao resisti a sugerir o retiro, que pode bem ser em Helsínquia, why not?
Embora seja irrelevante, gostaria que soubesse que tal como o Kiasma, também tive a felicidade de estar em Helsínquia e visitar o outro Kiasma, pelo que Steven Holl nao me é totalmente desconhecido.
A frase que o Kiasma citou é a minha preferida e aplica-se a esta troca de palavras que nem uma luva!

alice ventura